A Fada Palavrinha e o Gigante das Bibliotecas

 

         1-Era uma vez uma vez um rei                     2-Uma fortuna guardada

         Que tinha enorme tesouro:                          merecia aplicação

         Esmeraldas, diamantes                                Ali, fechada num cofre,

          E muitas moedas de ouro.                            Ainda chamava um ladrão.

 

        3-  - Que hei-de fazer, digam lá?-                   4- A rainha então lhe disse:

          Perguntou ele ao serão.                               - Podias comprar para mim

           - Antes de me decidir                                 um palácio com dez torres

            Quero a vossa opinião.                             E telhado de marfim.

 

         5-  A princesa sua filha                                 6– E o príncipe real        

           Lhe falou desta maneira:                              não se conseguiu conter:

          - Quero mil metros de sedas                          - Ó meu pai, dê-me um batalhão,

          Para levar à costureira.                                   Que eu gosto de combater.

 

           7– O rei franziu o nariz,                                8– Ergueu um grande edifício,

           Não ficou nada contente.                                Forrou-o todo com estantes

            Ele tinha outra ideia                                       mandou vir imensos livros

             Há tempos na sua mente.                             No dorso de elefantes.

 

           9-Vieram livros de barco,                               10- - Que lembrança tão maluca,

           De cavalo, de camelo,                                       que não lembra a um careca,

           Das terras quentes com sol,                               ir gastar tanto dinheiro

           Das terras frias com gelo.                                  Assim, numa biblioteca!

 

         11- Isto dizia a família                                     12– O rei não quis dar ouvidos

           E diziam os vassalos.                                           A gente tão ignorante,

          - Ficar sentadinho a ler                                          tinha gosto de aprender

          No rabo até faz calos.                                            Como se fosse um estudante.

 

         13– Na nova biblioteca                                          14– Cheio de curiosidade,

           Ganhou tal sabedoria                                             o povo desse país

           Que melhor rei neste mundo                                 quis todo aprender a ler   

           Aposto que não havia.                                            Para lá meter o nariz.

 

          15– Leu os livros de aventuras,                                16– Na biblioteca estudou,

            De ciências naturais,                                                nela se fartou de rir,

            Os de banda desenhada,                                           porque os livros também servem,

            E ainda leu muitos mais.                                          Afinal, para divertir.

 

           17– Mas o pior foi que as traças,                          18- - Aqui é que se está bem!-

            Ao verem tal corrupio,                                               disseram todos em coro.

             Entraram na biblioteca                                              - Vamos comer os livrinhos

             Num dia cinzento e frio.                                              encadernados em couro.   

 

          19-Encheram bem a barriga                                   20– O rei, ao ver os insectos

            Roendo aqui, além.                                                Por toda a sala a voarem,

           Um banquete de papel                                            mandou vir vinte soldados

            É mesmo o que lhes convém.                                Armados para os matarem.

 

           21– Os tiros não acertaram                                    22– Sete sábios prepararam

               Em bichos tão pequeninos                                  terrível insecticida.

               Que comiam dicionários                                      Os leitores da biblioteca

               E livros para meninos.                                           Quase iam perdendo a vida.

 

           23– Mas as traças resistiram.                                 24– Quando a noite   desceu                          

          Ainda roeram mais                                                   apareceu um gigante

          Os livros aos quadradinhos,                                      com longas asas, que vinha

           As revistas, os jornais.                                             De uma gruta distante.

 

           25- Ai!- gritou a multidão,                                      26– Vens também comer os livros?

           Que não tinha mais sossego.                                       Perguntou, aflito, o rei.

           - Este medonho gigante                                               -  Se vieres com tal tenção

             Parece mesmo um morcego                                              Já aqui te prenderei.

 


 

         27- - Não, eu venho, majestade,                                  28– Logo então foi contratado

         Apenas pedir emprego.                                                 O simpático gigante

         Comer traças é trabalho                                                e desatou a limpar

         Ideal para um morcego.                                                 Os bichos de cada estante.

 

        29– Julgava já ter comido                                              30– Em vez de trincar as folhas

          Todas as traças, um dia,                                                ela estava a devorar

          Quando viu uma tracinha                                              o livro com os seus olhos.

            Num livro de poesia.                                                      Não conseguia parar.

 

           31— Mas quem és tu borboleta?-                              32- - Ao agitar sobre os livros

           Perguntou ele, intrigado.                                             A varinha de condão,         

           - Sou a Fada Palavrinha                                               ponho todos a pensar

           Que vivo aqui ao teu lado.                                           E a ter imaginação.

 

          33- - Sobre as crianças eu deito                                    34– O gigante arregalou

          Uns pós de perlimpimpim                                             os olhos com grande espanto

           Para descobrirem que ler                                              e levou-a até ao rei

            É uma aventura sem fim.                                            Que estava de coroa e manto.

 

            35– Encantado, o soberano                                            36– Ficaram então os dois

            Lhe pediu para ficar                                                         a cuidar da biblioteca.

            A ajudar o bom gigante,                                                   Enquanto ela faz magias

            Para ele poder descansar.                                                 Ele faz uma soneca.

 

          37– Depois acorda à noitinha                                           38– Graças à fada, ao gigante

            Para caçar os insectos                                                     é mesmo uma loucura

           Que destroem belos livros                                                ver tanta gente feliz

            E tantos outros objectos.                                                Presa à sua leitura.

 

           39– Já deixaram de dizer                                          VITÓRIA, VITÓRIA

           Uns ignorantes vassalos                                             ACABOU _ SE  A HISTÓRIA.

           Que estar sentadinho a ler

            No rabo até faz calos.

 

 

                                                                                 Texto-  Luísa Ducla Soares

                                                                                  Ilustrações– Maria João Raimundo